Vida e morte de João Ubaldo Ribeiro

Vida e morte de João Ubaldo Ribeiro

 

crematório vila alpina

Velório do escritor baiano João Ubaldo Ribeiro na Academia Brasileira de Letras (ABL).
Foto: www.ebc.com.br

No dia 19 de Julho morre João Ubaldo Ribeiro, jornalista famoso e escritor. Ele nos deixa com 73 anos devido a um problema de Embolia Pulmonar.

As 10h o seu corpo foi enterrado no Rio de Janeiro, mais específamente no famoso Mausoleu dos Imortais da ABL. O Cemitério São João Batista ficou encarregado de abrigar o conceituado Romancista. A cerimônia de seu velório durou mais ou menos meia hora e contou com familiares e amigos mais próximos e para embelezar o momento lindas coroas de flores. A Abademia Brasileira de Letras (ABL) se sentiu honrada em poder participar da vida de João Ubaldo e no dia de seu velório.

João Ubaldo era membro da ABL e foi sepultado junto com o fardão dos imortais da Academia Brasileira de Letras. O fardão ficou sobre uma camiseta da cidade onde o escritor nasceu, Itaparica, no dia 23 de janeiro do ano de 1941.

O caixão só foi aberto para as despedidas de Berenice, sua esposa e seus filhos Bento (ator) Francisca, Manuela e também Emília filha do seu primeiro casamento. Após o caixão ser lacrado a família de Ubaldo colocou a camiseta do Bloco Areia sobre ele. Este bloco participa do carnaval do bairro do Leblon onde o romancista morava antes de sua morte.

 

Humor passado de pai para filho

 

Seu filho Bento Ribeiro fala que no dia a dia João Ubaldo era uma pessoa extremamente divertida e sarcástica, o que o influenciou para seguir o rumo da comédia e da televisão. Ele diz que, “Posso ter herdado do meu pai esse senso mais sarcástico e irreverênte. Mesmo involuntáriamente eu herdei várias coisas dele e espero manter isso ao longo de minha carreira”, disse.

coroas de flores

Geraldo Carneiro, famoso poeta e roteirista esteve presente no enterro.
Foto: www.ebc.com.br

Geraldo Carneiro, famoso poeta e roteirista esteve presente no enterro. Ele diz que a morte de Ubaldo levou um pouco da informalidade que a ABL possuía, tal informalidade que Ubaldo administrava com maestria. Ele diz que, “A academia é mais restriata na questão de obras, já Ubaldo, além de ótimas obras levava uma vida cheia de aventuras. Ele amplia totalmente esse espaço entre a vida e a obra em si”. Ubaldo ocupava a cadeira de número 34 na ABL, desde 7 de outubro do ano de 1993.

Sobre as obras do escritor, Geraldo Carneiro destaca principalmente a obra Viva o Povo Brasileiro e também Sargento Getúlio. “Viva o Povo Brasileiro é um ótimo livro com muito conteúdo, mais de 500 personagens e passava-se em dez épocas históricas. Acontecimentos se entrelaçando durante todo o livro. É de uma complexidade maravilhosa” Diz Geraldo. Ele acredita que não será feito um livro com um conteúdo tão rico de interpretações que retratam o povo Brasileiro e a Literatura Brasileira em si.

Leia Também no Portal Crematório Vila Alpina e Outros >>

 

Momento do Sepultamento de Ubaldo

 

coroa de flores

Berenice e Bento Ribeiro
Fonte: fotospublicas.com/

O corpo de Ubaldo foi velado anteriormente no famoso Salão da ABL. Domício Proença, atual secretário-geral da instituição diz que “Ubaldo vai para um local melhor, acredito, e nos deixa uma ótima lembrança amiga”. Sobre seu corpo estava uma linda coroa de flores vermelhas.

A filha Manuela chegou cedo até o Salão dos Poetas da ABL para participar do velório de seu pai. Ela estava muito emocionada. No momento da morte de seu pai ela morava na Alemanha e o sepultamento foi adiado para que ela pudesse comparecer. Ela estava muito emocionada e preferiu não dar declarações sobre o seu pai. A missa foi realizada por Sergio Couto, monsenhor do Orteiro da Glória.